Autoconhecimento

Guia definitivo para sua carreira: desenhe cada passo, teste e encontre o melhor caminho

Portal Carreira
Escrito por Portal Carreira em 21 de maio de 2020
Junte-se a mais de 80 mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Será que tudo o que podemos fazer em nossa profissão é aprendido durante a faculdade?

Se você acredita que todas as competências necessárias para a sua vida profissional são, basicamente, competências técnicas, é melhor mudar de ideia.

No passado, ter um currículo forte, recheado com formação em instituições de educação renomadas e passagem por empresas reconhecidas foi a chave que abriu muitas portas.

Mas hoje, o que se espera de um colaborador vai muito além do que ele pode entregar tecnicamente.

Agora, mais do que nunca, é a vez das características conhecidas como “soft skills” – aquelas habilidades relacionadas à personalidade e ao comportamento do profissional – ganharem protagonismo.

Elas abrangem aptidões mentais, emocionais e sociais e podem lhe ajudar a gerir sua vida profissional de forma mais consistente e coesa com o seu “eu”.

Afinal, o mercado de trabalho atual tem procurado por pessoas que possam vir a ser defensoras da cultura de uma empresa e não somente “empregados” burocráticos.

E para encontrar as pessoas ideais, é preciso que esses futuros candidatos também estejam conscientes sobre seus próprios talentos e ambições.

Essa dinâmica que media a nova relação entre empresas e candidatos, pode ser colocada dentro de uma “Proposta de Valor Profissional” (PVP). Ou seja, um plano que ajuda você, candidato, a descobrir o que tem e o que está disposto a oferecer à sua empregadora e, também, a compreender de forma mais transparente o que você espera dela.

Mas, se todos os papéis parecem tão bem definidos, porque é tão comum encontrar profissionais cada vez mais frustrados em suas carreiras?

Onde estão os gaps? Como descobrir as lacunas para novas habilidades? Como se tornar mais atraente para o mercado e ser mais feliz com o que faz?

Neste guia, vamos conduzi-lo nesse caminho e ajudá-lo a compreender sua carreira como sendo o seu maior empreendimento. Vamos também apontar algumas ferramentas para que você possa gerir com mais sucesso sua vida profissional.

Vamos juntos?

Quem é você e o que espera de sua vida profissional?

Já vai longe aquele tempo em que um profissional começava e encerrava sua carreira na mesma empresa. Agora a conversa é bem diferente.

Quando falamos em “carreira” falamos também em felicidade no trabalho. Os profissionais passaram a assumir, nos últimos anos, uma postura ativa em relação ao que se aceita ou não fazer.

Para ter realização em seu dia a dia é preciso se identificar com o chefe, com o lugar de trabalho, com o propósito da empresa e com o objetivo de sua função.

Hoje em dia, as pessoas entendem que tão importante quanto saber onde se quer chegar, é aproveitar a jornada.

Nesse momento em que as empresas estão tendo que lidar com a transformação digital e outros desafios mercadológicos, a palavra de ordem é se reinventar.

Na mesma medida, a hora é excelente para que profissionais possam repensar o que estão fazendo com suas carreiras.

É claro que uma mudança não é um processo simples. Mas, o importante é saber que é possível planejar a carreira edefinir como será sua jornada: o seu caminho, o que você quer fazer, para onde quer ir, em qual empresa quer trabalhar, o que você valoriza como remuneração, entre outros.

A partir do momento que você conhece o que quer, é muito mais fácil de criar uma estratégia para ser um profissional requisitado e relevante,  atrair empresas afins, ou, até mesmo, criar o seu próprio negócio.

Você é feliz com o que faz?

Hoje, muitos consideram estar em um lugar onde se sentem bem e onde se compartilha do mesmo propósito como a receita para o sucesso no trabalho.

Nunca antes a seguinte equação fez tanto sentido:

Eu acredito nesta ideia → trabalho por ela → assim me sinto realizado.

E isso se sustenta, pois as empresas sabem que para se manterem competitivas no mercado, precisam atrair não apenas os melhores talentos, mas também aqueles que estão dispostos a se comprometerem (de verdade) com elas. 

Para isso, elas estão dispostas a oferecer uma proposta de valor como marca empregadora, que pode abranger atributos financeiros, de carreira, organizacionais e de liderança.

Mas, antes de avaliar os que as empresas podem lhe oferecer, vamos dar um passo atrás e entender algumas coisas importantes sobre você:

1.Como identificar os próprios talentos?

Saber identificar os seus próprios talentos é o primeiro passo para dar o “match” perfeito com a empresa que você sonha em trabalhar. 

É para isso que surgiu a “Proposta de Valor Profissional”, que ajuda colaborador e empresa a se encontrarem nesse caminho. O PVP é uma forma do candidato entender quais os atributos tem a oferecer, assim como, identificar os atributos oferecidos por uma determinada empresa.

Para encontrar seus próprios talentos, você pode começar pensando sobre:

  • Quais foram os lugares nos quais você trabalhou em que acreditava que o seu propósito estava mais próximo dos da corporação?

Tente relembrar qual foi a paixão que você descobriu neste lugar. Refletir sobre isso pode lhe ajudar a entender qual era o seu propósito ao trabalhar lá.

2.Por que investir na sua empregabilidade?

Empregabilidade é a habilidade para entrar, ficar ou progredir no mercado de trabalho. Veja como a palavra pode ser dissociada: 

Empreg / abilidade

Portanto, “empregabilidade” nada mais é do que a sua capacidade de adequação às novas necessidades e à dinâmica dos novos mercados de trabalho, que vão além das competências técnicas (aquelas que você aprende na faculdade, por exemplo).

Nesse sentido é importante pensar sobre habilidades essenciais como:

  • Resiliência;
  • Empatia;
  • Inteligência emocional;
  • Inteligência relacional;
  • Habilidades digitais;
  • Comunicação;
  • Criatividade;
  • Pensamento crítico;
  • Capacidade de análise dados.

Responda agora: quais delas você considera como pontos favoráveis e onde você encontra oportunidades para melhorar?

3.Como identificar os valores de uma empresa?

Toda empresa hoje em dia, seja ela uma startup ou uma grande corporação multinacional, constrói suas atividades baseadas em alguns quesitos:

  • Cultura: maneira com que uma empresa interage com seus públicos de relacionamento;
  • Identidade: são os valores, missão e visão daquela empresa para o mundo;
  • Employement Value Proposition (EVP) ou Proposta de Valor da Marca Empregadora: modo como a empresa contrata e retém talentos. Pode ser transferido para atributos como: financeiros, organizacionais, de liderança e de carreira;
  • Employer branding: estratégias e campanhas que divulgam todos os atributos de uma empresa, construindo sua marca empregadora. Podem ser percebidas em posicionamento nas redes sociais, em seus processos seletivos, contratações, como integra e desenvolve seus colaboradores, entre outros.

Para um candidato a uma vaga, é fundamental conhecer todas essas informações sobre a empresa antes de prosseguir em um processo seletivo.

Assim, ele pode ter a certeza de que a proposta de valor de uma empresa está alinhada aos seus próprios valores e atributos profissionais.

Antes de se candidatar a uma vaga, vale a pena fazer uma boa pesquisa! Visite sites, redes sociais e verifique se você conhece alguém que trabalha nesta empresa.

4.Como desenvolver novas habilidades?

Entender onde estão as lacunas relacionadas às suas habilidades é um movimento importante.

Para identificá-las, um bom exercício é pedir um feedback para um colega ou um ex-chefe, por exemplo.

Em paralelo a isso, faça a você mesmo perguntas que lhe ajudem a identificar os seus pontos fortes e fracos e, também, os impactos que eles trouxeram para a sua vida profissional.

É no cruzamento dessas informações que você também poderá identificar as habilidades importantes a serem trabalhadas.

E isso também lhe ajudará a atingir aquelas empresas que você mapeou como “alvo” para a sua carreira.

É sempre hora de planejar a carreira

Para o futurista e estudioso Jacob Morgan, em sua palestra na conferência TED Academy, “How to Future Proof Your Career” (Como Ter Uma Carreira a Prova de Futuro), para planejar suas carreiras, é preciso que os profissionais levem em consideração algumas questões:

  • Globalização – saber aproveitar oportunidades em qualquer parte do mundo;
  • Mobilidade – o trabalho não está confinado ao lugar físico onde você está. Você o carrega no bolso onde quer que esteja;
  • Nativos digitais – esperam trabalhar em ambientes que refletem onde vivem;
  • Novos comportamentos – vivemos uma vida cada vez mais pública e social. A forma de compartilhar, comunicar, ensinar, aprender, ter acesso à tecnologia e criar conteúdo, mudou!
  • Tecnologia – encontrar novas maneiras de trabalhar de forma mais engajada e mais produtiva.

Como dar o “match” perfeito entre empresa e carreira?

Fazer algumas reflexões básicas irão lhe ajudar a começar a buscar o seu match ideal entre empresa X sua carreira.

São elas:

  • Qual o peso que você dá para o aspecto financeiro em uma oferta de trabalho?
  • O quão importante é a política de carreiras dentro de uma empresa para você?
  • O que você espera dos líderes que vão trabalhar com você?
  • Em qual tipo de cultura corporativa você se imagina trabalhando?

E por que mapear todos esses pontos é tão importante?

É por meio dessas respostas que você vai traçar a próxima estratégia de posicionamento da sua marca pessoal nas redes sociais e, assim, se aproximar ainda mais do seu objetivo.

Presença nas redes sociais: seja mais atraente para o mercado!

Assim como você está pesquisando sobre as empresas onde quer trabalhar, os empregadores também vão querer conhecê-lo ante de contratá-lo. E uma forma de fazer isso é checando as redes sociais de cada candidato.

Portanto, pense em alguns pontos:

  • Como anda o seu Facebook, LinkedIn e Instagram?
  • O seu perfil é profissionalmente atrativo?
  • Se você fosse um profissional de RH, ao ver como está o seu perfil hoje nessas redes sociais, você gostaria de te conhecer?

E então? Como está sua presença nessas redes?

Outro ponto importante para ficar atento: é provável que no futuro o “big data” assuma o papel do “currículo”. Isso significa que a participação em grupos, eventos e projetos e todo o input que o profissional / candidato sustente no mundo digital, seja usado para traçar o seu perfil e grau de alinhamento para uma vaga.

Parece coisa do futuro? Mas não é! Preste muito atenção ao seu legado digital!

Como melhorar o seu perfil no LinkedIn em 10 passos

Diante da importância de se manter uma vida digital alinhada aos seu objetivos profissionais, vamos nos concentrar aqui em uma das mais relevantes redes para este objetivo: o LinkedIn. Nela, estima-se que 1 em cada 20 perfis é de um recrutador.

Veja algumas dicas básicas para construir um perfil mais atraente:

1) Use uma foto profissional – evite improvisar com fotos em festas, cerimônias pessoais ou selfies.

2) Revise o seu nome profissional – certifique-se de é o mesmo que você utiliza no seu e-mail profissional ou pelo qual você é conhecido;

3) Escreva o título perfeito: coloque não só a sua área de atuação como também palavras-chave relacionadas com sua área de conhecimento ou aquela que você gostaria de trabalhar;

4) Dê ênfase em sua história de carreira – além de preencher todos os dados de sua profissão, escreva também o “Summary” ou “Resumo Profissional” contando sua história de carreira;

5) Personalize sua URL-  isso aumenta as chances de você se conectar com outros talentos e expandir seu network;

6) Aproveite as outras mídias – use links, vídeos e até apresentações em Power Point;

7) Publique suas ideias – escreva artigos, posts, compartilhe links, vídeos, etc.;

8) Compartilhe o que você acredita – o conteúdo deve estar relacionado aos seus interesses profissionais;

9) Adicione e busque pessoas da sua área ou de empresas que lhe interessam;

10) Reserve um tempo na sua agenda para adicionar, postar, compartilhar e interagir.

Manter um perfil atualizado e atuante no LinkedIn pode lhe ajudar a chegar mais facilmente até as empresas nas quais deseja trabalhar. Já sobre Facebook e Instagram, se você não quer utilizar para fins profissionais, é melhor manter essas redes privadas.

Mas, depois de criar um perfil competitivo e atraente, o próximo passo será rumo ao encontro das melhores oportunidade.

Por isso, vamos saber agora quais são as áreas mais promissoras do momento:

Áreas em alta para se reposicionar no mercado

Segundo o relatório “Futuro dos Empregos” de 2018, apresentado pelo Fórum Econômico Mundial, espera-se que as profissões baseadas na inovação tecnológica, como desenvolvedores de software e aplicativos, e as que requeiram características distintamente humana, como profissionais de vendas, cresçam nos próximos anos.

Veja quais são os 10 principais empregos emergentes para 2022:

  •  Analistas e cientistas de dados;
  •  Especialistas em IA (Inteligência Artificial) e Machine Learning;
  •  Gerentes gerais e de operações;
  •  Desenvolvedores e analistas de software e aplicativos;
  •  Profissionais de vendas e marketing;
  •  Especialistas em Big Data;
  •  Especialistas em Transformação Digital;
  •  Especialistas em novas tecnologias;
  •  Especialistas em Desenvolvimento Organizacional;
  •  Serviços de Tecnologia da Informação.

Quais são as habilidades mais procuradas pelo mercado hoje?

O mesmo relatório revela que algumas habilidades mais procuradas pelas empresas nos dias de hoje são:

  • Criatividade, originalidade e iniciativa;
  • Pensamento analítico e inovação;
  • Aprendizagem ativa e estratégias de aprendizagem;
  • Desenho e programação de tecnologia;
  • Solução complexa de problemas;
  • Pensamento e análise críticos;
  • Liderança e influência social;
  • Inteligência emocional;
  • Análise e avaliação de sistemas;
  • Raciocínio, resolução de problemas e ideação.

Qual o caminho mais curto para se reposicionar, pós demissão?

Se você está nesta situação, não desanime. A demissão pode ser encarada como uma oportunidade para ir atrás dos seus objetivos de forma mais intensa.

Para Jacob Morgan, para você ter o seu emprego dos sonhos, é necessário:

1) Manter-se um aprendiz – nunca perder a habilidade em aprender;

2) “Fake til you make it” (algo como fingir até conseguir) – segundo ele, nós precisamos acreditar naquilo que estamos fazendo, ouvir a nossa voz interior e sonhar alto;

3) Ter paixão em tudo o que você faz.

Lembrando que essas três capacidades podem extrapolar a sua área de formação. Como vimos até aqui, existem muito mais mais habilidades para serem desenvolvidas no meio do caminho.

Se manter conectado à sua Proposta de Valor Profissional é indispensável para que você faça o cruzamento perfeito entre o que você é e o que deseja profissionalmente.

Afinal, quando aceitamos uma proposta de trabalho nos tornamos o primeiro e mais importante consumidor daquela marca. As relações de trabalho hoje em dia vão além da transação formal de pagamento de salário X prestação de serviço.

Ao desenhar uma carreira, estamos planejando também com quem iremos trocar os nossos sonhos, nossas experiências, talento, tempo, nossos dias, em troca de um propósito, de um time, de um salário e também um chefe.

Esperamos que este texto tenha lhe ajudado a encontrar o melhor caminho para a sua carreira!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *